SOBRE O ITEGO

HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO
O Instituto Tecnológico do Estado de Goiás Governador Onofre Quinan, antigo Centro de Educação Profissional de Anápolis – CEPA, passou a compor a Rede Itego em 2015, por meio da Lei n.º18.931/2015. O objetivo da instituição é atuar com inovação focando em cursos técnicos e tecnológicos.
O Itego possui em sua estrutura física salas de aula, biblioteca, auditório, espaços administrativos e laboratórios modernos de Informática, Química e Línguas, preparados para receber alunos e ministrar variados cursos em suas dependências.

MISSÃO
Promover a educação profissional e tecnológica pública de qualidade e gratuita, mediante a oferta de cursos e serviços articulados com as demandas socioprodutivas local e regional, tendo em vista a formação de profissionais críticos, éticos e empreendedores, capazes de exercer, com eficiência e eficácia, sua atividade profissional, contribuindo assim, para o fomento da empregabilidade e da consequente inclusão social e produtiva de seus alunos.

VALORES
Ter comprometimento, transparência, ética profissional, excelência em qualidade, inovação, responsabilidade socioambiental, credibilidade, integridade e valorização pessoal.

VISÃO DE FUTURO
A perspectiva de constituir-se numa Instituição pública de referência na promoção e oferta da educação profissional e tecnológica. Agregar conhecimentos, visando melhoria contínua nos processos internos, na qualidade dos serviços e no relacionamento com o mercado.

PRINCÍPIOS
O Itego Governador Onofre Quinan desenvolverá suas ações educativas em conformidade com a legislação vigente, com seu projeto político-pedagógico e com os respectivos planos de cursos, tendo como princípios os exarados na Resolução CNE CEB nº 06 de 20/09/12:

  1. relação e articulação entre a formação desenvolvida no Ensino Médio e a Educação Profissional, visando à formação integral do estudante;
  2. respeito aos valores estéticos, políticos e éticos da educação nacional, na perspectiva do desenvolvimento para a vida social e profissional;
  3. trabalho como princípio educativo;
  4. pesquisa como princípio pedagógico;
  5. indissociabilidade entre educação e prática social;
  6. indissociabilidade entre teoria e prática no processo de ensino-aprendizagem;
  7. indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, no caso de curso superior;
  8. interdisciplinaridade assegurada no currículo e na prática pedagógica;
  9. contextualização, flexibilidade e interdisciplinaridade na utilização de estratégias educacionais favoráveis à compreensão de significados e à integração entre a teoria e a vivência da prática profissional;
  10. articulação com o desenvolvimento socioeconômico-ambiental dos territórios onde os cursos ocorrem;
  11. reconhecimento dos sujeitos e suas diversidades;
  12. reconhecimento das identidades de gênero e étnico-raciais;
  13. reconhecimento das diversidades das formas de produção, dos processos de trabalho e das culturas a eles subjacentes, as quais estabelecem novos paradigmas;
  14. autonomia da instituição educacional na concepção, elaboração, execução, avaliação e revisão do seu projeto político-pedagógico;
  15. flexibilidade na construção de itinerários formativos diversificados e atualizados;
  16. identidade dos perfis profissionais de conclusão de curso, que contemplem conhecimentos, competências e saberes profissionais requeridos pela natureza do trabalho, pelo desenvolvimento tecnológico e pelas demandas sociais, econômicas e ambientais;
  17. respeito ao princípio constitucional e legal do pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas.

E de acordo com a Resolução CEE/PELNO Nº04, de 29 de maio de 2015, artigo 4º temos como modalidade da Educação Básica e da Educação Superior, a Educação Profissional Técnica e Tecnológica que possibilita a construção de diferentes itinerários formativos, e abrange os seguintes cursos e programas:

  1. Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional;
  2. Educação profissional Técnica de Nível Médio;
  3. Educação Profissional Tecnológica de Graduação e Pós-Graduação.

Os cursos de Qualificação Profissional e Formação Inicial e Continuada dos trabalhadores, destinam-se a jovens e adultos e são oferecidos segundo itinerários formativos, desenvolvidos nos ambientes escolares e de trabalho e independem de autorização do Sistema Educativo do Estado de Goiás.
Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio compõem o nível básico da Educação Brasileira, e são destinados a estudantes matriculados no Ensino Médio, ou dele egressos, com o objetivo de proporcionar habilitação profissional técnica, qualificação profissional técnica, especialização profissional técnica, segundo perfil profissional de conclusão.
Os cursos de Educação Profissional Tecnológica compõem o nível superior da Educação Brasileira, e podem ser de graduação, quando destinados a egressos do ensino médio e os cursos de pós-graduação quando destinados aos portadores de diploma de graduação, focados em áreas específicas de aplicação tecnológica e cientifica, obedecendo a regulamentação específica.

Clique para visualizar o Projeto Político Pedagógico